sábado, 16 de fevereiro de 2013

José de Abreu recebeu cachê para fazer vídeo de Rafinha Bastos: ‘Gosto de provocar polêmicas’

José de Abreu 05Por mais uma vez, José de Abreu envolveu propositalmente seu nome numa polêmica. Desde ontem, circula na internet um vídeo feito por Rafinha Bastos em que, por se sentir ofendido, ele responde a uma notícia em que um humorista, casado e com filho teria oferecido R$ 100 para transar com um rapaz. À coluna, José de Abreu, que viveu o Nilo em "Avenida Brasil", afirma que foi procurado pelo ex-integrante do "CQC".

> Após nota de colunista, Rafinha Bastos ironiza boatos sobre homossexualidade

"Ele ligou, ofereceu um cachê e gravamos. Foi um trabalho profissional, muito bem feito e que só precisou ser feito uma vez", explicou José de Abreu.

Questionado sobre sua exposição, o ator se justificou. "Gosto de provocar polêmicas. Queria sentir o que é preconceito, não posso dizer que sou preto, mulher, índio, pobre... Ninguém acreditaria. Dizer que sou gay já não acreditaram muito... Vim pra confundir, não pra esclarecer", concluiu.

No vídeo, Rafinha está discursando quando o ator aparece ao fundo de roupão, cabelos molhados e com uma cadela nos braços. O ator interrompe o humorista. "Rafinha, estou te esperando". O humorista reage: "Amor, eu estou gravando o vídeo".

No mesmo tom carinhoso, José de Abreu diz que está lhe esperando na cama: "Não é rápido, já não aguento mais. Você pensa que é fácil ficar te esperando?". O ator sai de cena e Rafinha recomeça.

fonte: Extra

Daniel Radcliffe fala sobre polêmica em torno de personagem gay

"Nunca verão alguém perguntando a um ator gay como ele se sente interpretando um heterossexual", comentou o ator

Daniel Radcliffe 03Daniel Radcliffe é capa da nova edição da "Out Magazine", uma revista americana do grupo Here Media Inc. dirigida ao público homossexual. Isso porque o ator estará nos cinemas em breve como protagonista no filme "Kill Your Darlings", sobre a história do poeta gay Allen Ginsberg, famoso integrante da geração beat, que foi amigo dos escritores Jack Kerouac e William Seward Burroughs e teve entre seus maiores fãs o músico Jim Morrinson, líder do grupo The Doors. Em entrevista à publicação, o ator explicou que, para ele, "não há diferença alguma em como os heteros e os homossexuais se apaixonam". "Nunca verão alguém perguntando a um ator gay como ele se sente interpretando um heterossexual", comentou o ator sobre a polêmica em torno de sua participação no filme, contracenando com o ator Erin Darke.   

> Ator de Harry Potter diz que cenas de sexo gay em novo filme foi 'algo novo'

Recentemente, em entrevista à MTV News, o ator comentou que não entende "por quê uma cena de sexo gay deveria ser mais chocante do que uma cena de sexo hétero. Ambas são igualmente nada chocantes". 

fonte: Quem

Popularização do MMA faz aumentar a procura por um fetiche relativo ao tatame: Gay Fighting

gay bdsm fightingNovidade nenhuma imaginar que combate corpo-a-corpo entre homossexuais seria erótico e excitante no sentido literal da palavra. O avanço da internet está facilitando cada vez mais encontrarmos parceiros para atividades pouco conhecidas ou divulgadas. Uma atividade que está crescendo de maneira bem expressiva na Europa, América do Norte e Ásia é a luta Erótica ou Gay Fighting. Há várias modalidades de combate corpo-a-corpo usadas com propósito erótico e sexual, as mais conhecidas são luta greco-romana, wrestling, boxe, jiu-jitsu  e artes marciais mistas, mais conhecidas pela sigla em inglês (MMA).

Nos combates, há a necessidade de dominação ou rendição de um dos participantes, o vencedor pode escolher como prêmio sexo pós-luta da maneira que ele estipular, o perdedor terá que se submeter aos desejos do vencedor. Há a situação que o vencedor opta por não querer sexo com o perdedor, apenas submetê-lo a tortura, humilhação  e submissão. O grande diferencial desse fetiche é que a cópula não é o prêmio, e sim ter o oponente sob suas vontades.

Na maioria dos casos, as lutas são excessivamente agressivas e violentas. Os lutadores estipulam suas predileções para o combate e o desafiante escolhe de acordo com a severidade dos golpes que podem ser infringidos. São muito comuns socos bem agressivos na boca do estômago, rosto, chaves de pescoço, braço e pernas que só são paradas quando o oponente pede a rendição e aceita a derrota. O juiz pode determinar se o oponente está lutando para ganhar ou está com intenção de ser derrotado. Caso isso aconteça, ele será desclassificado podendo nem participar novamente dos torneios.

Existe tantos fatores sedutores e fetichistas nestes combates _desde os uniformes até o estereótipo másculo suado e com cheiro de vestiário de clube de futebol_ que a testosterona da arena contagia a todos. Raramente alguém está excitado no momento da luta. Nem todos combates são públicos, já existem vários perfis em sites de relacionamento gays (www.recon.com é um deles) direcionados para FIGHTING privados, onde o contexto sexual é bem mais explícito podendo ocorrer, de acordo com os participantes, lutas nus ou semi-nus, de saqueiras (jocks) ou uniformizados. Sempre são pré-acordadas regras e punições.

A maioria dos praticantes ainda prefere combates dentro de casa, na Europa e América do Norte muitos já fazem de um de seus cômodos um pequeno ringue, mas já estamos começando a ter arenas gays com combates e algumas com a punição pós-combate públicos.

Aqui no Brasil ainda estamos engatinhando em relação a essa abertura. Alguns demonstram interesse em luta comentando o fato em perfis de relacionamento. No site Recon você tem a opção de colocar FIGHTING como principal interesse, isso faz com que você se conecte ao site já na sala dos interessados em lutas, em qualquer cidade que entrar. Em outros sites, você pode usar do artifício de colocar seu interesse no nick ou na sua descrição, isso facilitará encontrar pessoas com mesmo interesse. Se for conversar com alguém de fora, lembre-se de deixar claro quando é iniciante para evitar levar uma surra violenta muito acima do que você imagina. Para os ineressados e já praticantes de combates corpo-a-corpo que costumam viajar para o exterior, toda quarta sexta-feira do mês, na cidade de Manchester (Inglaterra), acontece no “Manchester Evening News Arena (que é arena GAY coberta mais movimentado do mundo), o festival mais movimentado de Gay Fighting chamado “UP NORTH”. Acredito que lá apenas aconteçam os combates, mas é onde se encontram os gays interessados no assunto. Em São Francisco (EUA) há um local chamado EAGLE TAVERN onde os adeptos e interessados em FIGHTING costumam se encontrar. Em Nova York tem um local chamado NON_KINK ARENA onde alguns gays enrustidos competem nas lutas, mas não é uma arena gay propriamente dita.

fonte: MixBrasil

Gays espalhafatosos ganham espaço na teledramaturgia do País

É cada vez mais comum ver novelas e séries na TV com tipos efeminados repletos de trejeitos e manias

gay caricatoTodo núcleo de comédia que se preze conta com um personagem – ou vários – acima do tom. E, muitas vezes, são os gays caricatos que assumem esse lugar. De uns tempos para cá, tem sido comum identificar homossexuais afetados e bem-humorados nas produções da TV. Atualmente estão no ar papéis do gênero em Balacobaco, da Record, e em A Grande Família e Pé na Cova, da Globo.

No seriado de Miguel Falabella, aliás, quem faz jus ao posto de gay caricato é a personagem interpretada por Mart´nália, a mecânica Tamanco, cujo nome já justificaria a citação. Na mesma produção, está o irmão de Tamanco, Marcão – vivido por Maurício Xavier –, que se traveste de Markassa quando bem entende.

Antes disso, outros gays divertidos marcaram presença na teledramaturgia, como o Crô, interpretado por Marcelo Serrado em Fina Estampa, o Cássio, conhecido pelo bordão "tô rosa chiclete", encarnado por Marco Pigossi em Caras & Bocas, e o Orlandinho, de Iran Malfitano, em A Favorita, entre outros.

Mas compor esse tipo de personagem normalmente exige um grau de observação apurado do ator que o interpreta. "Foram pinceladas de vários segmentos gays. Hoje, eu sigo, através das redes sociais, os movimentos gays, frequento festas para esse público. E cheguei a ir à praia onde os gays do Rio frequentam", conta Thierry Figueira, que interpreta Patrick emBalacobaco

Aparentemente, os personagens gays que fazem um estilo mais espalhafotoso acabam caindo no gosto do público. Rafael Zulu, atualmente no ar na novela da Record, sentiu isso na pele. Foi justamente quando interpretou o crítico de moda Adriano, em Ti-Ti-Ti, exibida pela Globo em 2010, que o ator ganhou um reconhecimento maior das pessoas.

"Foi o papel que me trouxe mais popularidade. Muitos casais héteros vinham me dizer que tinham um amigo assim ou queriam ter. E muitos gays me encontravam e achavam que eu era gay também. Isso, para mim, era incrível", recorda ele, que defende que Adriano não tinha um perfil tão caricato assim - apenas cometia alguns deslizes. "O personagem dava os 'pitis' dele. Mas poucas vezes precisei mudar minha voz em cena. Depois, ele se apaixonou verdadeiramente pela personagem da Fernanda Souza."

Para a autora da novela, Maria Adelaide Amaral, o perfil de Adriano reflete muitos profissionais do mundo da moda: "é um personagem típico do meio em que trabalha. Basta assistir a qualquer programa sobre moda para ver muitos Adrianos lá."

Papéis de gays caricatos divertem as histórias. Mas o jeito extrovertido do personagem é às vezes uma preocupação para o intérprete. Fábio Porchat, por exemplo, achou melhor ter cuidado na hora de buscar o tom ideal de Junior, que interpreta em A Grande Família. Queria que fosse engraçado, mas, ao mesmo tempo, crível. "Em A Grande Família o tom é engraçado, mas real. Não é nem para o Zorra Total, nem para novela. É meio termo. E fazendo um gay, geralmente, você cai em um ou no outro", explica. 

João Miguel, que recentemente atuou em O Canto da Sereia na pele de Só Love, também foi atrás de um gay possível, por mais que o personagem tivesse suas afetações. Para isso, observou a postura, o jeito de se vestir e outros elementos de homossexuais mais "bafônicos" que encontrou por aí. "A postura mais efeminada do Só love – reunindo roupas justas, o olhar meio perdido e apaixonado, a caracterização meio andrógina – pode ser facilmente vista nas ruas. Foi um personagem bem diferente e difícil para achar o tom certo. Ele poderia ficar mais 'over' do que deveria a qualquer momento", reforça o ator. 

Às vezes o sucesso de um personagem gay é tanto que ultrapassa a importância novela. Prova disso foi a boa repercussão de Crô, interpretado por Marcelo Serrado em Fina Estampa. Ainda com o folhetim de Aguinaldo Silva no ar, cogitava-se a possibilidade de o mordomo afetado ganhar um especial de fim de ano na TV Globo. Depois, a ideia de prolongar a vida do personagem foi amadurecida e se transformou em filme, em fase de produção.

"O Crô conseguiu se sobrepor a qualquer tipo de preconceito. Até as crianças o amam. O gay virou uma coisa menor hoje em dia", destaca Serrado, antes de acrescentar: "o Aguinaldo nunca teve a ideia de fazer um personagem gay que levantasse bandeira. Queria uma coisa divertida", diz. 

À paisana
Não só personagens gays caricatos têm ganhado um espaço grande na teledramaturgia. Os mais discretos também são recorrentes nas tramas. Dani Moreno, atualmente no ar em Salve Jorge, interpretou uma homossexual em Amor e Revolução, exibida pelo SBT entre 2011 e 2012. No folhetim de Tiago Santiago, a atriz viveu Marta, uma mulher apaixonada pela melhor amiga. Mas Dani, sempre que era abordada por alguém a respeito da orientação sexual de seu papel, tentava tirar a questão de foco. "Eu dizia: 'não faço uma lésbica, faço uma mulher que é apaixonada por uma pessoa, que, por acaso, é outra mulher'. A Marta foi uma personagem um tanto forte", recorda.

Em Avenida Brasil, Daniel Rocha teve a oportunidade de, logo em sua estreia na TV, encarnar um papel complexo. Durante boa parte da trama, Roni, seu personagem, dava indícios de que poderia ser homossexual. No final do folhetim, no entanto, acabou formando um triângulo amoroso inusitado com Suelen e Leandro, vividos por Isis Valverde e Thiago Martins. "Acho que sai do óbvio. Fica mais interessante fazer um personagem assim do que de outro jeito", ele diz.

Instantâneas
Inicialmente escalado para fazer uma participação de um mês em A Favorita, Iran Malfitano acabou ganhando mais espaço na novela de João Emanuel Carneiro e ficou até o final por causa do sucesso de Orlandinho, seu personagem gay, que, volta e meia, aparecia em cena com os cabelos trançados

Em Amigas e Rivais, exibida pelo SBT, Jandir Ferrari viveu um falso gay. Na trama, o personagem fingia ser homossexual, do tipo espalhafatoso, para conseguir emprego como cabeleireiro no salão de beleza da história

Thierry Figueira já interpretou um homossexual antes do Patrick de Balacobaco. Na temporada de Malhação exibida em 1996, ele fez uma participação na pele de um gay enrustido. 

Leonardo Miggiorin chamou atenção quando deu vida ao Roni de Insensato Coração. "De primeira, tive receio em ficar estigmatizado. Mas era uma novela do Dennis (Carvalho) com Gilberto (Braga). Eu queria fazer de qualquer jeito", conta.

fonte: Terra

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...